Assentamento Capela realiza 9ª Abertura da Colheita do Arroz Ecológico

03 04 rs arroz miltom jardimA 9ª Abertura da Colheita do Arroz Ecológico, realizada segunda-feira (02), no assentamento Capela, em Nova Santa Rita (RS), marcou o início da safra da reforma agrária que deve chegar a 280 mil sacas este ano. O número representa 70% de todo o arroz orgânico certificado no Rio Grande do Sul. Para celebrar a colheita, mais de 1.200 pessoas prestigiaram o evento, que contou com a presença dos ministros do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas e da Integração Nacional, Fernando Bezerra, além do governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, do presidente do Incra, Celso Lacerda, e de autoridades de todo o Estado.

 

As autoridades deram início à safra em uma colheitadeira financiada pelo Programa Mais Alimentos, do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA). Em seu pronunciamento, o ministro, Pepe Vargas, ressaltou os temas da sustentabilidade ambiental, da agricultura familiar e das políticas públicas de amparo aos agricultores. "Temos que lembrar o quanto os assentados aumentam a circulação de recursos e de impostos nos municípios", também declarou. Já o presidente do Incra, Celso Lisboa de Lacerda, defendeu o direcionamento de créditos e tecnologias às iniciativas capazes de aliar rendimentos e proteção ambiental. Segundo ele "experiências como o arroz ecológico podem ser reproduzidas em outros assentamentos permitindo que os agricultores se apropriem mais da renda gerada pelo trabalho".

 

Veja na Tv Incra o vídeo sobre o evento

 

Para o superintendente regional do Instituto no RS, Roberto Ramos, "por sua disponibilidade de mão-de-obra e capacidade de organização, os assentados formam um grupo de agricultores especialmente apto a gerar alimentos aliando os aspectos de desenvolvimento ambiental, social e econômico". E afirma "nossa intenção seria investir ainda mais em cadeias de produção sustentáveis, caso os recursos disponíveis permitissem".

 

Safra

Este ano, o plantio de arroz orgânico cadastrado no Incra chega a 3,3 mil hectares divididos em 156 lavouras individuais e coletivas localizadas em 17 assentamentos federais de 10 municípios. Os números refletem uma ampliação no setor, já que o ciclo anterior rendeu 154 mil sacas em 2,5 mil hectares.

 

Desde 2006 a produção recebeu incentivos de 2,4 milhões do Incra. Uma das linhas de apoio são os recursos aplicados na preparação das lavouras. Em outra frente de atuação, desenvolvida por meio do Programa Terra Sol, o Instituto destinou R$ 1,2 milhão a obras de armazenagem, beneficiamento e secagem de arroz, permitindo que os agricultores administrem sua cadeia produtiva.

 

No caso do assentamento Capela os recursos viabilizaram a reforma da unidade e a aquisição de equipamentos para beneficiamento dos grãos. O assentamento, que foi criado em 1994 e abriga 100 famílias, mantém uma lavoura de arroz ecológico de 544 hectares, a terceira maior do Estado.

 

Motivação

A agricultora Reni Rubenich, conta que, no início da década anterior, os moradores do assentamento Capela passaram a ser debilitados por febre alta, infecções e doenças de estômago. "Além disso a terra estava fraca e cada vez precisava de mais adubo", lembra. Nessa época, a adesão à agroecologia foi uma resposta aos problemas de saúde decorrentes do uso de agrotóxicos. "Desde então, não deu mais problema em ninguém e a terra está recuperada, mais escura e segura melhor a umidade".

 

Para o engenheiro agrônomo da Cooperativa Central dos Assentamentos do RS (Coceargs), Leandro Luiz Menegon, outros motivos para a conversão são a lucratividade e busca pro autonomia. Na safra passada, por exemplo, os arrozeiros convencionais venderam seu produto por R$ 18 a saca. Enquanto isso, a cooperativa dos assentados conseguiu manter o preço de compra dos orgânicos em R$ 27. O técnico ainda ressalta que a busca por autonomia também atraiu adeptos.

 

Água

Durante o ato de abertura da colheita do arroz ecológico, o Ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra, e o governador do RS, Tarso Genro, assinaram um termo de empenho de R$ 38 milhões referentes do programa Água para Todos, do Governo Federal. Os recursos irão beneficiar 47 assentamentos de 18 municípios gaúchos conforme projetos elaborados pelo Incra.

 

Fonte: www.incra.gov.br